"NÃO EXISTE NENHUM LUGAR DE CULTO FORA DO AMOR AO PRÓXIMO"

Translate

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Bate papo...




Discípulos de Cristo ou discípulos de cristianismo?


Regina Farias disse...

Alan,

Fazia muito tempo que eu não queria ouvir mais certas pregações...

Então vi teu video e 'passei', deixei pra depois, mesmo sabendo de sua maravilhosa fase de transformação, mesmo com o título do mesmo me chamando a ler.

Então via a chamada no meu próprio blog me atraindo e resolvi que hoje eu iria assistir. Se bem que vim ao computador para ver outras coisas, confesso. Mas aí fui atraída imediatamente ao que havia dito 'domingo eu vejo'.

Dou graças a Deus por ver que ainda há pastores que se deixam quebrantar e, assim, vamos nos quebrantando também.
Obrigada!

R.
Alan Capriles disse...
Oi, Re!

Não posso deixar de comentar seu comentário, especialmente porque você está sempre nos enriquecendo com suas observações e eu raramente escrevo em seu blog (como também nos demais). Quero lhe agradecer por todo o carinho e lhe dizer também que seus comentários são um incentivo para que eu continue escrevendo e, nesse caso, também pregando. Como eu disse na mensagem, estou passando por um momento de auto-crítica, sendo confrontado comigo mesmo por meio do evangelho. Peço que me ajude em oração, a fim de que eu diminua e possa permitir que o Cristo que habita em cada um de nós tenha plena liberdade para continuar me usando na Palavra e, principalmente, nas obras de amor.

Deus lhe abençoe cada dia mais!
Regina Farias disse...
Pastor,

Está lá no meu blog e vou colocar no FB tb porque precisamos voltar ao primeiro amor urgente. Estamos muito mecanizados, robotizados, egoistas, individualistas.

E fique à vontade, eu não venho aqui para que vc vá lá. Não é uma troca mecânica e vc sabe disso. Se bem que em algumas vezes em peço socorro de algum 'guru' rsss da minha confiança como vc, René, W, J.C. Cláudio... Mas para complementar alguma coisa que eu não saiba expressar tão bem como vcs. Mas sem pressa e sem pressão.

Quanto ao constante processo no caminho que nos submetemos a ser moldados, veja você que quanto mais nos flagramos confrontados em nós mesmos, mais Deus nos abençoa e nos usa para abençoar a outros.

Isso é simplesmente maravilhoso!
Oremos, então!
Alan Capriles disse...
Re, preciso lhe confessar...

Também recorro a nossos irmãos "gurus" que você mencionou. Há poucos meses, por exemplo, fui pessoalmente conversar com nosso amigo René, que pacientemente escutou acerca de minhas inquietações e conflitos interiores. Voltei de lá muito mais leve e encorajado a seguir em frente.

Mas, desde que li seu último comentário, fiquei incomodado por você não saber ainda o quanto sua vida foi importante para o meu amadurecimento espiritual. Tudo começou com um comentário estúpido que eu fiz em um artigo da Rô e que você repreendeu com extrema simplicidade e dureza. Aquilo falou forte comigo porque, lá no fundo, eu sabia que você estava certa. Foi quando eu comecei a ler seu blog, o que ajudou a acelerar meu despertamento espiritual.

Por isso, sinto-me no dever de lhe dizer que você também é um de nossos "gurus", que nos ajudam a enxergar o caminho quando as trevas tentam nos fazer desviar da verdade e do amor.

Agradeço muito a Deus por sua vida e pelo privilégio de compartilharmos nossas experiências com Cristo.

Deus continue lhe abençoando cada dia mais!
Regina Farias disse...
Alan,

Despida de qualquer vaidade, esse seu depoimento enche o meu coração de alegria, simplesmente por confirmar o que eu vi em você desde o início: uma pessoa sábia! (Embora não tenha percebido essa repreensão rss Acho que é o hábito, desde bem menina, de ser professora. Aos treze anos de idade já monitorava em sala de aula na escola dos meus pais).

Fico mais feliz ainda porque, graças a Deus você soube assimilar, pois infelizmente, muitos que se deparam com esse meu jeito assim direto, se ofendem e levam para o lado pessoal.

Isso tudo só me faz admirá-lo mais ainda e louvar a Deus por sua vida, pois que você tem o dom de 'ser pastor', verdadeiramente. E quantas almas precisam de suas palavras tão sinceras e pautadas no Evangelho puro e simples.

Deus o ilumine cada vez mais!!!

R.

sábado, 1 de dezembro de 2012

Apriscos e gentios dos dias atuais...


'No essencial: unidade. no não essencial: liberdade. em todas as coisas: caridade'.

Comentário de Fabiano na postagem COEXISTIR

'O outro aprisco que Jesus disse não seria os gentios? Não acredito que um seguidor de Buda, Maomé, Kardec, etc. estejam sendo conduzidos por Cristo. Macro ecumenismo que muitos defendem (não estou dizendo que é o seu caso) é no mínimo incoerente com o que afirmam crer. PS: Claro que devemos coexistir com respeito, não sou fundamentalista. Nosso inimigo é outro'. 

.......

Resposta:

Tudo bem, os não judeus da bíblia eram os gentios. Mas... E quem seriam os gentios atuais?

Eu não queria me estender, mas antevejo isso. Afinal sou irremediavelmente prolixa. 

A ideia da postagem é para que a gente possa abrir a mente e refletir sobre nossa suposta superioridade espiritual. É esse pedantismo, essa pretensão, essa boçalidade nojenta que eu repudio. E, para quebrar esse paradigma meramente religioso precisamos rever urgentemente nossos conceitos e ler os Evangelhos TOTALMENTE despidos do denominacionismo.

Coexistir não significa rezar a mesma cartilha, ajoelhar-se diante dos mais variados deuses e prestar-lhes culto ritualístico e cerimonioso. Não é isso! Trata-se do culto no chão da existência; da vida prática onde se é unido pelo amor sem fronteiras. Ora, o amor de Cristo não é um pacote de crenças. Isso é religião. Religião segrega. Coloca muros. O amor une as pessoas. O sentido de coexistir nem mesmo é 'macro'! É amplo e irrestrito e está muito acima das religiões, crenças, cerimônias, rituais, preferências e discordâncias.

E se for para seguirmos o que disse e fez Jesus, não há outra alternativa senão nos unirmos a todos em amor. Mas um amor sincero, prático, sem demagogia, sem subserviência ou superioridade velada.

‘Engraçado’ que tem denominacionais que defendem com unhas e dentes algumas normas que Paulo estabeleceu dentro daquele contexto, mas fazem vista grossa para o que ele mesmo disse acerca do amor universal. Utilizam de forma distorcida o ‘evangelho segundo coríntios’ mas pulando o capítulo 13. Ou usando o capítulo 13 somente com os da própria crença e a seu bel prazer. Com os das outras crenças, ainda que ditas cristãs, eles olham com piedade, compaixão, mas tudo no sentido pejorativo, como se estivessem acima daqueles e só eles entendessem de Deus. Isso me enoja, me dá asco! E tão somente porque não é esse o propósito de Jesus por meio do Sacrifício da Cruz.

Observe que em seu ministério terreno, Jesus abordou a samaritana (e outras mulheres) rompendo com TODOS os códigos religiosos da época. Códigos estes que não eram só religiosos, era a própria Lei! Ele transgrediu as normas! Ele ultrapassou todas as fronteiras em nome do Seu Amor!

Observe também que em suas parábolas ele usa, propositalmente, exemplo de pessoas boas e que não eram do 'povo de Deus’. Ele usa um samaritano (Seria o umbandista de hoje?) para exemplificar acerca da única lei que a Ele interessa que cumpramos! Quem é o nosso próximo?! Perguntaria o intérprete da lei; como posso nascer de novo, foi a pergunta nonsense de um legalista extremamente culto que era ‘o cara’ que entendia de tudo e mais alguma coisa sobre religião; e o que governava um povo, mas não conseguia enxergar A VERDADE À SUA FRENTE? Eles não sabiam porque seus corações estavam petrificados, limitados e conduzidos pela rigidez da lei sem compaixão, invalidando a palavra de Deus pelas próprias tradições, pelos próprios acréscimos. Alguma semelhança com os religiosos atuais que usam Seu Santo Nome?

Observe ainda que Jesus ficou maravilhado com a fé do centurião e fez questão de dizer, com muito entusiasmo, que jamais havia visto fé como aquela nem mesmo no meio do ‘povo de Deus’. E, nesta mesma passagem, Ele faz uma declaração contundente sobre os que ‘se assentarão à mesa’, deixando bastante claro que ‘os filhos do reino’ ficariam de fora. Não consta que Jesus tenha chamado o centurião e cobrado dele alguma 'doutrina de fé'. Ao, contrário, o dispensa dizendo 'seja feito conforme a tua fé'.

Sinceramente, não sei como os fundamentalistas ‘cristãos’(!?) não conseguem entender algo tão simples.

(E, claro, não estou me referindo a você. Fabiano. Seu nome é Fabiano mesmo? Bom, não importa... Aliás, diga-se de passagem, que poucas são as pessoas que questionam assim tão respeitosamente como vc. Geralmente levam para o lado pessoal e se enfurecem).

Então, por que um budista, um kardecista, ou um maometano não pode ser conduzido por Cristo? Quem somos nós para determinar quais são aqueles que Jesus chamará de filho ou de filha, como aquela mulher que lhe tocou as vestes? Naquela passagem não consta seus dados pessoais. Ninguém sabia seu RG, sua procedência, seu credo. Não se sabia nem seu nome!

Mas, saiba, apesar de tudo, muito me alegra o desfecho do seu breve comentário. Nenhum desses que você mesmo citou é nosso inimigo. Disse tudo. Pois o inimigo de nossas almas é quem nos coloca contra estes. Aliás, este é o seu papel.

Só digo uma coisa muito séria. Quem quiser ler nos evangelhos sobre o ministério de Jesus aqui na terra, totalmente desarmado e despido das vestes religiosas que limitam e cegam, certamente irá se deparar com algo indiscutível: que Jesus perdia o controle, repudiava e se INDIGNAVA reagindo com veemência APENAS com os religiosos hipócritas e sem compaixão.

Isso já é um bom começo para quem quer rever seus pretensiosos, equivocados e ingênuos conceitos...

Quem tiver olhos para ver, veja!

RF.


O endemoninhado, a mulher e Jairo.









É impressionante o que nos revela Marcos 5 acerca da soberania de Cristo ante as necessidades do povo. Marcos, é, essencialmente, um livro de ação. O início de cada tópico é assinalado, na maioria das vezes, pela palavra ‘imediatamente’ (‘logo’ em algumas traduções) que aparece mais em Marcos do que em qualquer outro livro do NT. Em suas narrativas, é frequente o verbo no presente, para representar o ministério do Senhor Jesus, de uma forma dinâmica e vibrante, focando suas atividades. E não que o ensino seja menos importante, mas isso é assunto para outro texto... (Adaptado de ‘A Bíblia da Mulher’ – SBB – Ed. Mundo Cristão).

E essa passagem dinâmica que envolve um possesso, uma mulher determinada que O buscava pela fé e um religioso aflito, nos revela Seu propósito eterno.

A mulher só queria tocar-lhe as vestes e mais nada. Algo lhe dizia que isso a faria curada. Imagino sua dificuldade em alcançar Jesus no meio daquele povo que O comprimia. Considerando ainda que, certamente, ela sentisse medo de se aproximar das pessoas por ser impura para os conceitos daquela época. Mas, apesar de tudo, ela tinha convicção de que tudo mudaria em sua vida quando tocasse em suas vestes. E a passagem deixa bastante claro que seu corpo foi curado no exato momento em que tocou em Jesus.  O que ela não sabia é que isso não era suficiente para Jesus. Ele queria presentear-lhe com  o ‘pacote completo’ por ter sido movida pela fé.

Então, Ele para e pergunta:

- Quem me tocou?

Os discípulos ficaram espantados com aquela pergunta. Afinal, em meio àquele empurra- empurra, Jesus estava sendo constantemente tocado.

- Do que o Senhor está falando?!

Os discípulos (homens) só enxergam a multidão. Jesus, porém, olha para cada indivíduo. Poder havia saído dele mas a cura não havia sido completa. Ela era mais do que um corpo com hemorragia. Era uma mulher movida pela fé. E Jesus não se moveria dali enquanto a mulher não se aproximasse dele.

Jesus parou. Mesmo tendo um pedido urgente para ir socorrer a filha de Jairo. A essa altura, Jairo já se desesperava. Afinal, pela sua abordagem, não se podia dizer que ele era, exatamente, um homem de fé. E, Jesus, dizendo: só saio daqui quando a pessoa se apresentar.

Então, a mulher, trêmula de medo, não viu outra alternativa, senão cair aos Seus pés e se apresentar.

E Jesus deu-lhe uma resposta em quatro partes:
   
Chamou-a de filha – termo que revela intimidade e um profundo carinho.
Assegurou-lhe que seu corpo havia sido curado – por sua fé, e não por ela ter tocado em Sua roupa.
Mandou-a embora livre de ansiedades – vá em paz.
E livrou-a do mal  - alma curada, salva.

Entre a cura de um homem endemoninhado e a ressurreição de uma menina, a situação daquela mulher poderia ser considerada de menor importância segundo a avaliação humana, mas não segundo a de Cristo. Ele para e ajuda A TODOS.

O interessante é que Ele parou diante da fé daquela mulher que sabia que apenas ao tocar-Lhe, o sangue estancaria. Ao passo que, no mesmo momento, Jairo faz um pedido confiante na  cerimônia e no ritual utilizado à época.

Jairo diz:

- ‘...vem, impõe as mãos sobre ela, PARA QUE ela seja salva’.

Em outras palavras, o religioso certinho diz: vai e toca, faz o ritual, realiza o procedimento religioso/ cerimonioso PARA QUE haja a cura.

Mas, para Jesus, aquela 'imposição de mãos' que os religiosos usavam para evocar a cura tornara-se irrelevante diante daquele novo quadro que ora se apresentava.

Jesus tem algo a fazer antes... Porque a mulher do fluxo de sangue diz: se eu apenas tocar as Suas vestes... Essa mensagem de fé sensibilizou Jesus!

Jesus sempre transgrediu todas as convenções, tradições e rituais para socorrer quem nele crê e aquele momento não foi diferente. Naquele tempo, qualquer um que fosse tocado por uma ‘mulher impura’ seria considerado imundo. Entretanto, quando ela tocou Jesus Ele a tornou limpa. Em todos os sentidos!

A mulher o buscou pela fé. Jairo, confiante nos rituais de sua religiosidade. E, o primeiro, fora atendido devido aos seus distúrbios emocionais/espirituais/mentais. Cada um com seu motivo e abordagem específica. (Que quadro mais atual!) E Jesus os atende. A Seu modo, e não, conforme as convenções religiosas da época. Assim como Ele atende a Seu modo, nos dias atuais, A TODOS QUE O BUSCAM, independentemente das convenções religiosas. E cura até a quem não o busca, depende apenas de Ele querer, assim como ele teve compaixão daquela MULHER CORCUNDA. 

Enfim, nessa passagem bíblica Ele socorre os três. Porém, unicamente à mulher, Ele salva. Por sua fé.

Pense nisso!

“Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz e fica livre do teu mal”.



TEXTOS RELACIONADOS:

SALVAÇÃO PELA FÉ

SOMOS A NAÇÃO ABENÇOADA?

O POVO LHES DEU TAL AUTORIDADE